TOP
a3
America do sul Argentina Atacama Aventura Chile viagem de carro

De Salta até San Pedro de Atacama – aventuras de uma viagem de carro. Parte I

Já que a curto prazo   (as últimas informações são de que não abrirão antes de setembro) as fronteiras da Europa e dos Estados Unidos permanecerão fechadas, compartilho com vocês uma viagem incrível que fiz pela Argentina até San Pedro do Atacama no Chile. Se você tem tempo, viajar de carro é uma experiência que te deixa frente a frente com o seu destino, e te dá muita liberdade de mudança de planos de última hora – tá gostando desta cidadezinha? ficamos mais 1 dia? soube por um local que tem alguma atração imperdível que desvia da sua rota inicial? Vambora!

82e311b2-4588-437e-9c6d-7ecce7a51db0

Este tipo de liberdade está cada vez mais limitada hoje em dia, devido ao grande fluxo que vinha aumentando a passos largos antes do Covid 19,
Hoje tudo mudou, mas tomando certos cuidados, você pode realizar uma linda viagem ainda este ano.

Visitar o norte da Argentina e o deserto do Atacama me chamava como um canto da sereia, uma boa dose de aventura, de paisagens belíssimas, áridos desertos e vulcões, muitos vulcões.

Este foi o nosso trajeto no norte da Argentina.
A – Cafayate
B – Salta
C – San Salvador de Jujuy
D- Purmamarca
E – Susques – a última cidade na Argentina antes de cruzar o Paso de Jama , que leva até San Pedro de Atacama no Chile.

Nosso vôo era Porto Alegre/Buenos Aires/Salta, chegamos tarde e fomos direto para o nosso Hotel Finca Valentina, ele fica situado um pouco fora do centro, é muito legal, tem um astral de fazenda, mas se você for só de passagem, vale mais a pena escolher um hotel no centro de Salta, que não é muito grande e é uma cidade bem simpática.


 

Finca Valentina

Pela manhã um rapaz  da locadora de carros veio trazer nosso Corolla, o carro que escolhemos para cruzar até San Pedro de Atacama, já que as estradas até lá são todas boas e asfaltadas, herança do falecido presidente Kirchner.

Um dia é suficiente para conhecer Salta, o centrinho é bonitinho, tem muitas lojas de lindo artesanato, muitos objetos de prata, mantas, tudo lindo com muita influência peruana.

Praça principal de Salta, onde fica o Museu Arqueológico de Altas Montanhas

 

Artesanato com forte influência peruana


 

Charme nos detalhes 

Se você tem intenção de comprar alguma coisa, os preços são sempre melhores aqui na Argentina, em San Pedro você vai encontrar tudo semelhante, mas mais caro.

Uma visita imperdível em Salta é o Museu de Arqueologia de Alta Montanha, ali estão expostas as múmias das 3 crianças incas achadas em 1999 conhecidas como “crianças de Llullallaico“. As 3 crianças  estavam enterradas há mais de 500 anos no cume do vulcão de Llullallaico, perto da fronteira com o Chile, foram encontradas intactas.  Eles caminharam por centenas de quilometros desde Cuzco e foram levados até o cume do monte Llullaillaco As crianças foram sacrificadas como parte de um ritual religioso, conhecido como “capa cocha”, no qual são alimentadas e bebem chicha (cerveja de milho) durante um ritual antes de seu sacrifício. Com a administração da Chicha, o cansaço e a grande altitude, as crianças adormeceram e logo após foram enterradas. De acordo com as crenças incas, as crianças não morrem, mas se juntam aos seus ancestrais e vigiam suas aldeias a partir das montanhas.

Garota de aproximadamente 15 anos, possivelmente uma sacerdotisa do Templo do sol em Cuzco.

Menino de aproximadamente 7 anos.  Fonte fotos das crianças: Temic 9

Decidimos pegar a estrada para  dormir em Cafayate, que fica a 189 Km ao sul. Cafayate é uma mini cidade no epicentro dos vinhedos do norte da Argentina. Grandes bodegas, como Echart e El Esteco estão sediadas em Cafayate. O vinho famoso por aqui é o Torrontés, que tem os vinhedos plantados a uma altitude média de 1.500m o que traz excelentes diferenças de temperatura entre o dia e a noite, retardando a maturação da uva.

 

ee2aa5c6-e95a-4372-b9a5-4cdae4792bc8

A estrada é linda a paisagem vai se alternando de montanhas com várias tonalidades, paisagens lunares, llamas , cactus gigantes conhecidos pelo nome de Cardón.

Passamos por um trecho chamado de “Quebrada de las Conchas” que tem 2 atrações que você não pode perder a primeira chamada a “garganta do diabo”, um caniôn estreito que a gente entra dentro e se sente pequenininho com a magnitude das montanhas. Tudo monocromático, fiz uma associação com Petra na Jordânia. Outra um pouco mais à frente chama-se o “anfiteatro”, as duas merecem a sua visita, é só parar o carro caminhar uns poucos metros para ver.

Quebrada de Las Conchas


Garganta do diabo Imagens lunares

O Anfiteatro 

Esta estrada serviu de cenário para o segundo episódio do filme argentino com Ricardo Darin, Relatos Selvagens, lembra? Dois motoristas que acabam se matando? Então foi tudo filmado aqui.

c6180543-a8fc-4f26-a189-486434ee90ce

Chegamos em Cafayate à tardinha, e aqui foi a roubadinha da viagem, não tínhamos feito reserva prévia de hotel ( vi que tem ótimos!)  todos os melhores relação custo/beneficio já estavam cheios, o lugar é cheio de turistas de todos os cantos do mundo. Entrei na internet e acabei pegando o melhorzinho que apareceu, era horrível, isto que dá quando a gente improvisa, mas tudo bem só para uma noite,  afinal era para ser uma viagem de aventuras.

A cidade é um amor, tranquila, boa de andar a pé ou de bicicleta, os melhores restaurantes e lojinhas ficam na praça principal da cidade. Nós escolhemos jantar no Restaurante Terruño, onde comemos super bem, acompanhados por um Torrontés da bodega Colomé, uma das mais prestigiadas da região, ouvindo umas conversas em francês aqui e outras em inglês acolá.

Um Torrontés de primeira da Bodega Colomé.

Centrinho de Cafayate movimentado à noite

No dia seguinte pela manhã fomos visitar a bodega El Esteco (mais conhecida aqui como Michel Torino), que produz o vinho Elemento e o top de linha Altimus. Pegamos uma visita guiada que começou pelos vinhedos, explicações bem elementares para leigos como nós. Achei muito interessante que as videiras mais antigas de + de 50 anos ainda são aquelas altas que a gente não vê mais na Europa. Depois passamos para a parte dos barris de carvalho, muitos importados da França ou dos EUA para logo em seguida começar a melhor parte – a degustação!!! É meu amigo por aqui não importa se são somente 11h da manhã, degustação é cultura! :)!!

Saindo de Cafayate para visitar a Vinícola El Esteco.

 

Visita guiada pela vinícola.

Barris de carvalho importados da França e EUA.

E o melhor da festa – a degustação! :)!

De volta na estrada voltamos até Salta para seguirmos caminho até nosso próximo destino – Purmamarca, a estrada que vai de Salta até San Salvador de Jujuy tem um trecho bem chatinho, uma estrada estreita de subida de serra com muitas curvas. Depois de passar SS de Jujuy tudo fica mais tranquilo. Chegamos em Purmamarca ao anoitecer, nosso hotel era muito bom, chama Terrazas dela Posta, charmoso, bem localizado, bom mas em Purmamarca tudo é bem localizado, a cidade é micra! Um charme, dá ares de intocada pela avalanche de turismo que já chegou em San Pedro de Atacama.

Hotel Terrazas della Posta em Purmamarca

 

Cerro siete colores, uma das atrações da cidade.

Artesanato lindo da região

Na continuação vou contar a travessia no Paso de Jama que cruza a fronteira com o Chile, atravessa o Salar chamado Salinas Grandes e chega até San Pedro de Atacama.

0aa7931c-5449-4c63-bd6d-1ce51299d8e8

Se você quer receber nosso conteúdo exclusivo semanalmente , assine Newsletter Viajandocomarte

«

»

1 COMENTÁRIO
  • Rey Buck
    4 anos atrás

    Boas dicas na parte 1 -salta. Obrigado, vou tentar achar o resto – 2- atacama.

Deixe-nos seu comentário!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Captcha *